Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sábado, 25 de abril de 2015

Bradesco assumirá HSBC.


Está tudo acertado que o Bradesco vai assumir o controle do HSBC Brasil. Já tem aval do governo para que isto aconteça. A gestão da negociação não foi divulgado ao mercado financeiro, ainda, nem a informação do tempo que vai levar para o Banco Central autorizar a operação de compra do segundo maior banco estrangeiro no País, pelo Banco brasileiro. 


O HSBC global está vendendo ativos que não estejam dando rentabilidade, no mundo todo, no caso especifico o HSBC Brasil. O HSBC Brasil teve prejuízo de cerca de R$ 247 milhões no ano de 2014, número que deve ter influído na decisão da venda. A venda acontece no meio de escândalo de contas secretas de clientes no HSBC Suíça, revelado pelo jornal francês Le Monde. 


Lembrando que o HSBC Brasil nasceu da aquisição da parte boa do Banco Bamerindus do paranaense José Eduardo Vieira, que era conhecido como Zé do Chapéu, falecido no final do ano passado. A parte podre do Banco Bamerindus foi liquidado pelo Banco Central causando prejuízo ao próprio José Eduardo Vieira e aos acionistas minoritários. Isto aconteceu no governo FHC dentro do programa de socorro aos bancos, o Proer. Há muita polêmica na liquidação do Banco Bamerindus, por ter José Eduardo Vieira ter financiado a campanha presidencial do FHC.


O presidente do Conselho de Administração do Bradesco Luiz Carlos Trabuco Capri é homem influente no governo Dilma Rousseff. Ele foi cogitado pela Dilma para ocupar o Ministério da Fazenda, cargo que recusou ocupar indicando para o posto o Joaquim Levy.


Joaquim Levy, até ocupar o posto de ministro da Fazenda da Dilma, ocupava uma vaga na Diretoria do Bradesco. Esperamos que o Joaquim Levy, sempre decida em nome do Brasil e não em nome do Bradesco.


O Bradesco contribuiu com a indicação do Secretário Geral do Ministério da Fazenda, o segundo posto mais importante do Ministério da Fazenda. Tarcísio José Mascote de Godoy ocupava uma das diretoria do Bradesco, antes de ser nomeado para o posto.


O Bradesco indicou para presidência da Petrobras, o presidente executivo da Vale S.A. O presidente da Vale Murilo Ferreira é indicação do Bradesco para ocupar o cargo mais importante da Companhia. Esta é uma indicação tão importante quanto a indicação do ministro de Fazenda no governo Dilma. 


Como podem ver, o Bradesco tem larga influência no governo Dilma, sobretudo na área econômica. Causa impressão a mim que o Bradesco manda no Brasil.  Bradesco/Brasil é uma simbiose que, por enquanto, está funcionando. Porém, este tipo de simbiose, poderá não ser salutar para o futuro do País. É um caso a pensar, antes que aconteça outros escândalos. 

Ossami Sakamori
@SakaSakamori



sexta-feira, 24 de abril de 2015

PT é facção criminosa!


Nada melhor que imagens para mostrar a cara do PT, facção criminosa que tomou de assalto o Palácio do Planalto. Não são mais R$ milhões arrecadados em "tráfico de influências" para manter-se no poder, mas são R$ bilhões. Cada dia que passa, o número é superado. Deu agora de explicitar no balanço da maior estatal o valor do prejuízo causado pela facção criminosa: R$ 50,8 bilhões. 

A facção criminosa assumiu publicamente o rombo que causou à estatal Petrobras, por omissão negligência e ladroagem. Isto não pode ficar apenas em comunicado oficial. Não basta assumir a culpa e considerar a página virada. O povo quer de volta os R$ 50,8 bilhões nos cofres da Petrobras. E ainda tem gente, considerando satisfatório a contabilização da ladroagem.

Vejam as imagens por si só já revela o nível de liderança da facção criminosa denominado de PT, que nada difere do traficante de drogas Fernandinho Beira Mar, este preso em prisão de segurança máxima.

Imagens:


Volume financeiro da ladroagem na Petrobras:

R$ 50.800.000.000,00






Sede da facção criminosa.



O capo.





A presidenta.







O chefe dos militares.

O falso intelectual.








O advogado.

O mentor.








O precursor.










A viúva do prefeito assassinado.








O amigona da presidenta.

O queridinho da presidenta.





O dono das ciclovias.


A barbie. 








A política externa.

O menino de recado.









A ligação.
O condecorado.







O operador do capo.







A operadora da presidenta.







O líder no Senado.

O líder na Câmara.






 O foragido.

O tesoureiro do capo.








O tesoureiro da presidenta.








A ligação perigosa.
A poderosa.








Queremos de volta os R$ 50,8 bilhões para o caixa da Petrobras!

Queremos Papuda para membros da facção criminosa!

Ossami Sakamori


quinta-feira, 23 de abril de 2015

Dólar continua sendo uma boa aplicação.


Hoje, o dólar rompeu o piso de R$ 3,00. Vamos esclarecer para os que aplicam em dólar ou derivativos de dólar que os movimentos de alta e de baixa são normais. Em tese, no Brasil, o dólar é flutuante. No entanto, o governo ou o Banco Central  tem controle sobre os excessos, tanto para cima ou para baixo. Qualquer aplicações em moedas ou ações as flutuações para cima ou para baixo devem ser encarados como normais. 

Não pretendo fazer aqui guerra de nervos. Mantenho a minha previsão feito em 20 de fevereiro e confirmado em 20 de março, o dólar deve fechar o ano no patamar de R$ 3,50 a R$ 3,60. Eu disse fechar o ano, isto é  a minha previsão é de que a cotação previsto é para o final deste ano, 2015. Apesar da baixa de hoje, rompendo para baixo o número psicológico de R$ 3,00, em nada muda a minha previsão de cotação do dólar para o final do ano.

Apesar de balança de conta corrente continuar deficitária e mesmo o investimento estrangeiro direto (IED) não estar cobrindo o déficit da balança de conta corrente, ainda assim, o investimento estrangeiro especulativo está entrando o suficiente para compensar a saída de dólar. A entrada do investimento estrangeiro especulativo vem atrás de juros reais dos títulos do Tesouro, a segunda mais alta do mundo. A constatação é confirmada com a manutenção da reserva cambial brasileira nos mesmos níveis do final do ano passado. Ontem, a reserva cambial fechou com saldo de US$ 372 bilhões.

A cotação do dólar em torno de R$ 3,00, também, não pode ser considerado como patamar estável. Os Estados Unidos está crescendo à uma taxa média de 2,5% ao ano, desde o ano passado. O FED (Banco Central americano) está mantendo os juros dos títulos do Tesouro de curto prazo, no patamar de 0,25% ao ano, ou seja rentabilidade negativa se considerar a inflação média de 2,5% ao ano. Daí a revoada de dólares para aplicações em países emergentes.

No entanto, a contínua criação de emprego nos Estados Unidos, deve fazer o FED elevar a taxa de juros do título de curto prazo do Tesouro americano para os patamares próximo da inflação. Elevando os juros dos títulos americanos, a tendência é revoada de investimentos especulativos em títulos do Tesouro brasileiro para investimento em títulos do Tesouro americano. Havendo fuga de dólares, a tendência da cotação é se aproximar aos níveis de R$ 3,50 a R$ 3,60 para cada dólar, como projetado por mim.

De qualquer forma, manter o real debaixo do colchão ou manter em disponibilidade é perda certa devido à corrosão pela inflação, projetado pelo governo em 8,5% ao ano para o ano de 2015. No meu entender, manter o dólar é uma alternativa para manter o poder de compra. Especular com o dólar é para gente grande, assim como aplicar em bolsa de valores também é coisa para especialistas. 

Não sou Empiricus, mas considero aplicação em dólares um bom negócio para manter o poder aquisitivo da moeda. Recomendo, no entanto, as negociações de dólares serem feitos sempre em instituições bancárias, guardando o documento de liquidação da moeda, para evitar aborrecimentos futuros. Manter o dólar em espécie ou em aplicações sem devida declaração de origem é crime conforme a legislação brasileira. 

O fato é que o real está perdendo o valor celeremente. O dólar pode ser alternativa viável para manutenção do poder de compra. 

Ossami Sakamori




Prejuízo da Petrobras é de R$ 50,8 bilhões!


Petrobrás reconheceu em seu balanço financeiro de 2014, divulgado nesta quarta-feira, 22,  após cinco meses de atraso, a perda de R$ 6,194 bilhões por causa de gastos relacionados à corrupção, feitos de 2004 a 2012, e identificados nas investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal. Outros R$ 44,636 bilhões foram registrados como perdas após revisão no valor de ativos. Com isso, registrou prejuízo de R$ 21,587 bilhões em 2014, o primeiro resultado negativo anual desde 1991. Fonte: Estadão.

Vamos destrinchar as informações divulgadas pela Petrobras para facilitar o entendimento. O prejuízo da Companhia no período de 2004 até 2014 é de R$ 44,6 bilhões decorrentes do dinheiro mal gasto, de obras superfaturadas, sobretudo da Refinaria Abreu e Lima. 

O dinheiro corresponde a construção de 5 novas refinarias iguais ao do Abreu e Lima, além da própria. Este blog já tinha afirmado que com o mesmo dinheiro gasto na obra daria para construir 6 refinarias do mesmo porte da Abreu e Lima, o que vem a confirmar pela perda contabilizada pela Petrobras. 

O prejuízo contabilizado com resultado da corrupção no montante de R$ 6,2 bilhões é o sobrepreço nas licitações para pagamentos de propinas, que foi identificadas, em diversas obras objetos da Operação Lava Jato deflagrada pelo Ministério Público Federal e Polícia Federal. Este prejuízo significa que a Petrobras foi patrocinadora de propinas para os parlamentares dos partidos da base aliada PT, PMDB e PP, sobretudo. 

A soma do prejuízo decorrente da superfaturadas mais o prejuízo decorrente da cobertura das propinas embutidas nos gastos da Petrobras, correspondente a R$ 44,6 bilhões + R$ 6,2 bilhões = R$ 50,8 bilhões. Isto é a soma de valores que não deveria ter saído do caixa da Petrobras, se a Companhia fosse administrado com o mínimo de probidade e transparência.

O dinheiro da incompetência e ladroagem, os R$ 50,8 bilhões, corresponde grosso modo a 50% do orçamento do Ministério da Educação ou 100% da verba anual do SUS. O resultado é que o MEC não tem dinheiro para custear o FIES (empréstimo aos estudantes universitários) e nem o SUS (Sistema Único de Saúde) tem o dinheiro suficiente para dar atendimento adequado aos doentes atendidos pelo sistema. 

Os responsáveis pelo prejuízo de R$ 50,8 bilhões, somente na Petrobras, no período correspondente a 2004 a 2014, demonstrado cabalmente pelo balanço da Companhia, são os que estão ocupam os poderes da República e com o poder de coerção sobre os três poderes da República. Veja abaixo quem são os responsáveis pelo prejuízo:

Luis Inácio Lula da Silva. Ex-presidente e chefe da facção criminosa.




Dilma Rousseff. Ministra de Minas Energia do Lula. Presidente do Conselho de Administração da Petrobras. Presidente da República. Chefe da facção instalado no Palácio do Planalto.


Guido Mantega. Ex-ministro da Fazenda e Presidente do Conselho da Administração da Petrobras no governo Lula e Dilma.

José Sérgio Gabrielli de Azevedo. Presidente da Petrobras no governo Lula.






Maria da Graça Foster. Presidente da Petrobras no governo Dilma.







João Vaccari Neto. Tesoureiro do PT, operador principal da canalização do dinheiro da corrupção para o caixa do PT.





A facção criminosa que comanda diretamente do Palácio do Planalto, desde 2004, nada difere da facção criminosa dos morros do Rio de Janeiro. A diferença é que os chefes da facção criminosa dos morros do Rio estão mofando nas cadeias de segurança máxima do Brasil a fora. Enquanto os chefes e operadores da facção criminosa que causou prejuízo de R$ 50,8 bilhões à Petrobras estão soltos, comandando as operações direto do Palácio do Planalto. 

Acho surreal, os políticos de expressão se manifestando contrário ao impeachment da presidente Dilma Rousseff por falta de provas. Se um Fiat Elba foi suficiente para cassação do mandato do Fernando Collor, o prejuízo de R$ 50,8 bilhões não são suficientes para instalar o processo de impeachment da Dilma. Isto é piada? 


Ossami Sakamori



terça-feira, 21 de abril de 2015

A "pedalada" da Petrobras é de R$ 80 bilhões !


Joaquim Levy disse na entrevista para Bloomberg em Nova York, participando da reunião anual do FMI, que a divulgação do balanço da Petrobras, a Companhia passaria pra a fase de "reconstrução". No meu entender, o ministro está longe de dizer a verdade. A Petrobras está com dificuldade de honrar os seus compromissos, tanto assim é que foi feito empréstimo nos bancos no valor de R$ 18,5 bilhões na semana que passou, curiosamente, antes da divulgação do balanço trimestral de 2014. 

A Petrobras tem ainda o plano de desmobilização dos ativos no montante de R$ 39 bilhões, já anunciado pela imprensa, tão logo assumiu o novo presidente da Petrobras Aldemir Bendine. A Petrobras está desesperada em conseguir recursos para cumprir com os compromissos de 2015. Não há dinheiro em caixa para tanto, por isso a venda de ativos além dos empréstimos dos bancos oficiais.

A Petrobras é uma Companhia que não cumpre as regras da boa governança corporativa, exigidas pelo CVM - Comissão de Valores Mobiliários. A falta de transparência facilitou a ladroagem praticada pela facção criminosa que desde 2004, segundo revelou a Operação Lava Jato. Após um ano de investigações pela Polícia Federal, ainda não se chegou ao valor exato da ladroagem ocorrido na Petrobras. 

Mesmo com a total falta de transparência, a agência de classificação de riscos Moody's e o banco UBS, fizeram levantamento estimativo e chegou a conclusão de que a Petrobras deve aos bancos oficiais R$ 72,5 bilhões, sem contar com os R$ 7,5 bilhões de empréstimos feitos pelo BB e CEF. O valor atualizado, portanto, é de R$ 80 bilhões distribuídos em R$ 41,7 bilhões do BNDES, R$ 24 bilhões do BB e R$ 14,2 bilhões da CEF.

Os bancos públicos viraram casa da mãe Joana, financiaram o rombo do sistema elétrico para serem pagos neste e no ano que vem devido a "redução das contas de luz" da Dilma em 2013. A estimativa é que os bancos públicos tenha financiado cerca de R$ 20 bilhões ao sistema elétrico para cobrir o rombo . Pelo menos estes empréstimos foram feitos para empresas do setor elétrico em sua maioria privadas.

Por outro lado, há poucos dias, foi levantada pela Diretoria de Fiscalização do Banco Central de que os bancos públicos teriam pagos contas do governo federal constantes do Orçamento da União de 2014, num montante de R$ 40 bilhões. Os empréstimos foram considerados pelo TCU - Tribunal de Contas da União como uma forma de fugir da Lei de Responsabilidade Fiscal. Estes empréstimos estão sendo chamado pela imprensa como "pedalada fiscal".

Os empréstimos feito pelos bancos oficiais à Petrobras no montante de R$ 80 bilhões, revelados pelo Mood's e UBS, não deixa de ser uma outra "pedalada" para burlar a transferência de dinheiro do contribuinte para fins que não estão previstos nos objetivos das instituições financeiras oficiais. Triste saber que a "pedalada" da Petrobras serviu em parte para abastecer o financiamento da campanha da Dilma presidente, além de encher os bolsos da facção criminosa comandada pela dupla Lula & Dilma.


A "pedalada" da Petrobras é de R$ 80 bilhões!

Ossami Sakamori
SakaSakamori 



segunda-feira, 20 de abril de 2015

Brasil da Dilma está em "reflação" !


A rápida deterioração do quadro econômico pode ter levado o PIB - Produto Interno Bruto - a soma de todas riquezas produzidas no País - a ter a maior queda trimestral em duas décadas. Nas projeções de bancos e consultorias a economia deve ter levado tombo entre 1,2% a 3,5% no primeiro trimestre deste ano em comparação ao mesmo trimestre do ano passado. 

Coincidência ou não, se confirmado o tombo da economia nos níveis mais pessimistas, estará próximo ao índice experimentado na economia no ano de cassação do mandato do presidente Fernando Collor em 1992. No primeiro trimestre daquele ano, a economia encolheu 3,2% em relação ao ano anterior. Lembrando que o presidente Collor caiu devido ao envolvimento em denúncias de corrupção em escala muito menor que os valores estimados de ladroagem do governo Dilma, estimado em R$ 10 bilhões.

O quadro da economia, para os que entendem de números da economia, é de arrepiar os cabelos. Não só o encolhimento, retração ou recessão do PIB, o quadro piora quando a retração vem acompanhado de inflação alta. A retração estimada por mim, para este ano, de 2,5% e inflação admitida pela equipe econômica do governo acima de 8,5% ao ano, o quadro é de "reflação". Designei o quadro desta forma fazendo analogia com "estagflação" quando a economia está com crescimento zero e inflação alta. 

Só não vamos confundir a designação "reflação" com a "refração" que é um fenômeno ótico que nada tem a ver com o fenômeno econômico financeiro. A designação "reflação" vem da soma entre re-tração ou re-cessão da economia com a in-flação.  A reflação é um quadro da economia explosiva socialmente. A "reflação" indica queda de atividade econômica associado a desemprego e com a perda de poder aquisitivo da população.  

É de esperar que o quadro da economia, seguindo a trajetória do primeiro trimestre, deverá fechar o ano como já previsto por mim em 20 de fevereiro e ajustado em 20 de março, qual seja, retração do PIB em 2,5% no PIB e inflação próximo de 2 dígitos. Um típico quadro de "reflação".

No quadro de "reflação" na economia, a "sensação de bem estar" e a "sensação de poder de compra" desaparecem. O quadro de "reflação" é marcado com a "sensação de insegurança" e a "sensação de perda de poder de compra", quadro este oposto ao apregoado pelo Governo PT. O quadro de "reflação", sem dúvida, vai levar "desesperança" e "revolta" da população com o desgoverno da Dilma presidente. 



Brasil da Dilma está em "reflação". Eu disse, está!

Ossami Sakamori
@SakaSakamori




domingo, 19 de abril de 2015

Dilma vive uma cassação branca !


Crédito da imagem: O Estadão

Depois de longo tempo afastado da imprensa, o Estadão publicou hoje, a entrevista com a candidata à presidência da República no primeiro turno das eleições do ano passado, Marina Silva. 

Marina Silva foi fundadora e militante do PT por décadas, foi senadora pelo estado de Acre, ministra do Meio Ambiente do governo Lula e candidata à presidência pelo partido do falecido Eduardo Campos, o PSB.

Nada há de novidade no pensamento político da Marina Silva. A entrevista concedida para o jornal Estadão, é repetição do que nós já ouvimos durante a campanha presidencial. Vou destacar aqui apenas opinião dela com relação ao momento político que vive a Dilma presidente.

Marina Silva disse ao Estadão que "há uma responsabilidade política indireta patente" da presidente Dilma Rousseff pelos escândalos na Petrobras. Disse Marina: "Como você é ministro de Minas e Energia, chefe da Casa Civil e presidente da República e tudo isso acontece?" se referindo à presidente Dilma com relação aos escândalos de ladroagem revelados pela Operação Lava Jato. 

O que a Marina Silva disse ao Estadão reforça exatamente a minha tese sobre a responsabilidade da Dilma presidente em todo episódio que envolvem ladroagem no âmbito da Petrobras. Concordamos sim, que a Dilma presidente é responsável sim, pela ladroagem na Petrobras revelado pela Operação Lava Jato, levado ao efeito graças à coragem e discernimento do juiz federal Sérgio Moro.

Concordamos também que o Brasil vive "um buraco negro" (dito pela Marina), sem um comando de fato, com muitas mentiras vendidas para permanência no poder do PT, que se porta como mera facção criminosa que pratica o tráfico de influência para colocar em prática o crime de ladroagem aos cofres públicos.

Se ainda, oficialmente, a presidente Dilma Rousseff não foi cassado pelo Congresso Nacional, concordo com o que disse a Marina Silva: "Dilma vive uma cassação branca".

Ossami Sakamori





BANDIDAGEM X IDEOLOGIA

Por: Monica Torres


Foram-se os tempos da conturba “ideologia’ no Brasil. Os tolos de esquerda festiva e esquerda caviar bem o aproveitaram.  Era status citar um ou outro desses mitológicos fabricantes de sangue Marx, Staling, Lenin, Gramsci, Kruschev e etc.  As gerações entenderam a inutilidade e o mal que essas ideologia espalhavam e sobretudo na fase adulta de suas vidas, deixavam subitamente de ser idiotas.

De tempos em tempos a síndrome da idiotice se repete, e como uma pústula resistente, volta a sangrar e espalhar suas células ruins pelo organismo vulnerável do país. “Aparelhamento” era uma palavra morta depois de 64. Mas os resíduos do ódio, infelizmente desprezados pelas forças vencedoras da época, a ressuscitaram.

É claro que uma nação com Sídrome de Genovese, não se move. Uma república sonolenta com muitas fronteiras a vigiar  tende a se acomodar na sua eterna madorra. E se ela for atrasada na educação, há de se distrair com a programação das grandes mídias, sem sobra de erro.

O problema é que o aparelhamento não é de ideologia coisa alguma. Não são estudantes nem estudiosos de filosofias, história política, etc, os líderes do aparelhamento. Mesmo porque esses não subsistiriam por aqui, na hora em que a nação tirasse os olhos da novela das 8. O Aparelhamento é de cunho criminoso. Classifica-se como “bandidagem” mesmo. Nascida do partidão sob a égide de uma organização bem montada.  Às vezes me pergunto se eles não passaram a perna até no Foro de São Paulo...

Sim, levaram muito a sério a teoria do jeitinho e do oportunismo (essa é cria brasileira e patenteada pelo partidão)  e criaram seus vermes dentro dessa doutrina.  Aproveitaram-se dos idiotas remanescentes da “ideologia inútil”, para cultivar nas sombras, as células de estruturas da bandidagem.

Agora, que a bandidagem cresceu, a esquerda ideológica inútil começa a dar sinais de decepção com a cúpula podre e treme diante da crescente verde/amarela nas ruas. Eles armam manifestos, congressos, estratégias de mudança... e tudo só vem endossar o sucesso do movimento. Estão em queda vertiginosa.

Mais um pouco e caem feito fruta podre que são.

Monica Torres